comida

Este spot portuense está entre os 150 restaurantes mais lendários do mundo

Não sabemos se deu o nome à francesinha ou vice-versa. Mas não há dúvida que o Café Santiago é de paragem obrigatória no Porto.
Ocupa o 40º lugar do ranking do Taste Atlas.

A gastronomia portuguesa tem tido sempre um grande destaque, não só no nosso País, mas pelo mundo fora. Desta vez, todas as atenções estão voltadas para o Café Santiago. A plataforma Taste Atlas elegeu os 150 restaurantes mais famosos do mundo e este spot portuense ficou entre o top 50, ocupando a 40.ª posição.

Neste ranking ainda entraram mais três restaurantes portugueses, em Lisboa. A Adega das Gravatas, ocupando o 44º lugar, a Luarentina na posição 107 e o Bonjardim no 124º lugar. Assim, o Café Santiago é o restaurante português com melhor posição.

Ao longo dos anos, o Café Santiago tem feito o seu percurso pela cultura gastronómica da cidade e são muitas as pessoas que consideram que estar neste restaurante é realmente sentir o Porto. Não é por acaso que nos individuais deste espaço se lê: “A Francesinha Santiago é o autêntico sabor do Porto”. Apesar da fama, este espaço tão conhecido — e procurado — por locais e turistas ficou surpreendido com esta distinção.

“O interessante é que nós não fizemos nenhum tipo de candidatura, foi algo completamente espontâneo. Na altura, quando nos foi comunicado, ficámos surpreendidos porque recebemos um destaque maior do que aquele que estávamos à espera. Não tínhamos ideia que poderia tratar-se de uma classificação tão importante mas depois, quando acordámos de facto, refletimos e pensámos que a nossa estratégia ao longo dos anos funcionou e continua a funcionar. Procuramos manter as coisas genuínas e íntimas por assim dizer. Não somos procurados por sermos uma cadeia multinacional industrializada, mas por sermos genuínos e um sítio onde as pessoas querem vir, pelo menos uma vez na vida, e isso faz-nos sentir muito bem e felizes”, destacou Rui Pereira, responsável do Café Santiago, em conversa com a New in Porto.

O responsável reconheceu que esta posição foi atribuída pelos comentários de pessoas que por lá passaram, assim como do conhecimento e estudo de pessoas que trabalham na plataforma Taste Atlas, que acederam a uma base de dados e chegaram a estas conclusões. Embora existam documentos que datem a existência do café antes da data adotada, por volta dos anos 30, que desapareceu e surgiu definitivamente em 1959, só em 1978 é que a família Pereira começou a deter a responsabilidade sobre o espaço, inicialmente com o intuito de ter uma tabacaria, algo tão comum de ver naquela altura nos cafés e cantos da cidade. Os antigos donos, fundadores do café, naturais do Brasil, decidiram retornar às origens e passaram o café aos pais de Rui, porque queriam deixá-lo nas mãos de uma família que garantisse o desenvolvimento do mesmo ao longo dos anos”.

No entanto, foi só em 1991 que esta família obteve o espaço na sua totalidade. E foi nesta altura em que a francesinha já começava a ser considerada um ícone da cidade. Não tanto como o prato elaborado que hoje é, mas como um snack, algo que as pessoas procuravam na saída dos jogos, do cinema, de um espetáculo. Aliás até eram feitas apostas de quem seria o mais forte e aguentaria a francesinha com o molho mais picante, porque tradicionalmente é conhecida por ter um certo toque forte.

Foi aqui que a família começou a desenvolver o seu bem mais apreciado e que ainda hoje se mantém em segredo: o molho da francesinha. “A minha mãe de 76 anos é a responsável pelo molho das nossas francesinhas e desde o início que o nosso objetivo foi transformarmos esta iguaria em algo mais abrangente. Não desvirtuando o picante, porque assim deve ser, mas sem exagerar, de maneira a abranger não só a faixa etária de 25-35 anos, mas dos oito aos 80 como se costuma dizer. Quando era pequeno lembro-me sempre de pedir para comer e a minha mãe não deixar por afirmar que o picante poderia fazer mal. Então o truque era fazer a francesinha bem feita, de modo a que não fizesse mal a ninguém. O nosso molho até hoje é um segredo e parte pela sua simplicidade. É leve mas saboroso”, admitiu Rui.

Sob o mote “estes não são apenas locais para comer, mas destinos por direito próprio (…). Cada um deles têm resistido ao passar do tempo, mantendo a cozinha tradicional e de alta qualidade”, o Taste Atlas divulgou este ranking. Sobre o espaço portuense refere que não se trata apenas de um café, mas de “um património gastronómico”. Neste âmbito, o responsável pelo Café Santiago, na Praça dos Poveiros, acrescenta: “Nós consideramos que a francesinha por si só já é um património gastronómico do Porto e de Portugal. Nós não consideramos termos resistido às mudanças, mas antes mantivemo-nos fiéis àquilo que acreditamos ser o padrão que queremos desenvolver e é isso que nos torna um património gastronómico. Às vezes é confuso, porque não sabemos se é a francesinha que está a dar nome ao Santiago ou se é o Café Santiago que está a dar nome à francesinha, mas ficamos muito felizes, pois existe uma estreita ligação entre a francesinha e o Santiago”.

No Taste Atlas ainda é possível ler: “O Café Santiago conquistou um lugar especial no mundo da cozinha, desde a sua fundação em 1959. E ganhou fama pela sua francesinha, que é um símbolo da tradição culinária do Porto”. Assim, Rui, reforçou o compromisso da sua família e em nome de todas as pessoas que já passaram pelo Santiago, funcionários, turistas e clientes locais que já se tornaram amigos e família, em continuar através de gestos, boa vontade e sorrisos, responder às necessidades dos seus clientes e fazê-los felizes.

Um dado curioso deste café é o seu nome. Entre os dois irmãos da família fundadora, um deles era devoto de Santiago de Compostela. Assim, este restaurante transformou-se também numa paragem obrigatória para os peregrinos que fazem o Caminho de Santiago. Assim, podem passar por lá e receberem um carimbo do café nos seus passaportes no início do percurso, ou no fim, para aqueles que fazem o caminho francês, começando por Santiago de Compostela e terminando no Porto. Se ainda não teve oportunidade de experimentar esta lendária francesinha, saiba que pode deslocar-se facilmente de metro, pois a estação do Bolhão fica a escassos metros.

De seguida carregue na galeria para conhecer outros spots para comer francesinhas no Porto além do Café Santiago.

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    Rua Passos Manuel, 226
    4000-382 Porto
  • HORÁRIO
  • Segundas-feiras a sábado das 12h00 às 22h45
  • Domingos encerrados
PREÇO MÉDIO
Entre 10€ e 20€
TIPO DE COMIDA
Francesinhas

MAIS HISTÓRIAS DO PORTO

AGENDA