comida

Estes workshops vão ensiná-lo a fazer o café mais instagramável

Na ABCoffee é possível aprender várias técnicas onde não falta o latte art — e não é preciso ser especialista.
Para os curiosos.

Ser português e gostar de café são duas características quase indissociáveis, embora seja possível encontrar portugueses que não gostam de café e entre os especialistas haja um certo debate sobre se a forma como a maioria dos portugueses prefere o café será a mais correta. Essa questão fica para outra altura porque o nosso foco aqui é outro.

Numa altura em que estamos a iniciar um novo ano e em que muitos fizeram promessas ou têm como propósito aprender algo novo este ano, há um conjunto de workshops que pode fazer no Porto e que são diferentes do habitual. No caso, falamos para os amantes do café — mas não só —, que apreciem o famoso latte art. Calma, não pense que lhe estamos a propor algo super profissional ou inalcansável.

Seja por curiosidade, para fazer um brilharete da próxima vez que receber os amigos em casa ou simplesmente para conquistar likes nas redes sociais, qualquer motivo é válido para aprender algo novo e, neste caso, latte art. No Porto, pode ficar a saber mais sobre estas técnicas na ABCoffee, uma escola criada no final de 2018 por Diogo Amorim e Hugo Ferraz.

O primeiro vem de uma família ligada ao café mas apenas na parte comercial, uma vez que o pai vende café comercial há cerca de 40 anos. Decidiu que queria dedicar-se a esta área mas que queria saber mais e, por isso, foi tirar o mestrado em Economia e Ciência do Café, em Itália, antes de se tornar torrador de café. O segundo, por sua vez, é barista, formador das áreas de barista e de brewing e ficou em segundo lugar no Campeonato Nacional de Baristas de 2022.

“Ao voltar do mestrado, decidi começar a torrar café de especialidade e, mais tarde, conheci o Hugo porque ele ia abrir uma coffee shop e acabou por ser meu cliente”, começa por contar à New in Porto Diogo Amorim, acrescentando: “Sempre tive a ideia ou o sonho de ter um espaço para dar formação porque via que havia muita falta de formação no mercado da restauração ligado a café. Surgiu a hipótese de fazermos a ABCoffee e abrimos no final de 2018”.

A escola faz consultoria a cafés ou coffee shops mas também dá formação, tanto ao nível profissional como pequenos workshops. Os cursos de um nível mais profissional ou para quem pretende fazer do café algo mais sério abrangem áreas como a análise sensorial, o café verde, a torra, o barista ou o brewing.

Por sua vez, os workshops são pensados para os entusiastas, os curiosos que querem saber mais e não carecem de experiência ou conhecimentos prévios. Aqui, encontra opções de provas de cafés, brewing e alguns dos mais pedidos como o espresso perfeito, a vaporização do leite ou o latte art. Os preços variam entre os 50€ e os 55€ e as turmas têm no máximo quatro alunos para sessões que duram entre 1h30 a duas horas.

Embora não seja necessário ou obrigatório fazer todos os workshops, convém que para aprender latte art já saiba fazer a correta vaporização do leite e, se quiser tornar tudo ainda mais correto, saber tirar o melhor espresso também ajuda ao resultado final. É por isso que até costumam agendar os workshops seguidos, para facilitar a tarefa.

“Pode ser do zero, mas normalmente as pessoas têm uma máquina em casa e já se interessam”, diz Diogo, corroborando que, mesmo não sendo obrigatório fazer os workshops todos, os alunos “beneficiam se estes forem feitos em conjunto”. Pelo menos para os casos da vaporização do leite e latte art.

Aprender mais

Sem desvendar demasiado, podemos dizer que o espresso perfeito vai depender não só do seu conhecimento da máquina como do próprio café que utilizar, mas também de fatores como se é moído na hora, a quantidade de café que usa ou o tempo que demora a tirá-lo. Tudo detalhes que pode aprender no workshop.

De seguida, não espere começar logo a vaporizar leite ou bebida vegetal porque no início — e já depois de aprender a teoria sobre como se faz para obter o melhor creme de leite —, para treinar, é utilizada uma combinação de água com detergente da loiça. Sim, isso mesmo. É que estas técnicas requerem treino e não há necessidade de, logo no início, desperdiçar os alimentos.

A parte divertida e mais ansiada por quem gosta de ter bebidas com desenhos bonitos para partilhar no feed chega com o latte art, mas desengane-se se pensa que é tudo muito fácil. Para começar, se não aplicar aquilo que aprendeu sobre vaporização de leite, não vai conseguir bons resultados. Depois, mesmo os desenhos mais simples requerem alguma prática para saber qual o momento exato em que deve fazer cada movimento. O resto vem com o treino.

Diogo Amorim explica que, de forma resumida, o que deve ter em conta para conseguir uma bebida digna de fotografar são aspetos como o café que usa. “O café deve ser sempre moído na hora porque os compostos voláteis estão dentro do grão e quando se mói evaporam, por isso estamos a perder qualidade.” Depois, deve procurar tirar um café equilibrado.

Para o leite, deve procurar “trabalhar com leite gordo o mais fresco possível” ou com bebidas vegetais como as de amêndoa ou aveia ou até, idealmente, as versões de barista. “Na vaporização, não queremos espuma de leite — que é o erro que se faz muitas vezes —, queremos creme, não bolhas, as bolhas não podem estar visíveis”, sublinha. Na parte mais artística, o problema já é outro: “A nível de latte art, tendo uma boa vaporização, o latte art só se atinge praticando”.

Agora que sabe como é o processo, pode ver quando serão os próximos workshops e aproveitar para aprender algo novo ao mesmo tempo que fica capacitado para surpreender os amigos e a família. Só não se esqueça que depois convém praticar para não perder o jeito.

Carregue na galeria para descobrir mais detalhes sobre os workshops da ABCoffee.

ver galeria

MAIS HISTÓRIAS DO PORTO

AGENDA