comida

O vinho à moda do Porto para celebrar o 25 de abril à mesa

A Barros apresenta uma edição especial da colheita 1974, com ilustrações da artista portuense Teresa Rego.
Custa 170€.

Fundada em 1913, a casa de vinho do Porto Barros celebra os 50 anos do 25 de abril com o lançamento de uma edição especial da colheita de 1974, em parceria com a artista portuense Teresa Rego. “O nosso foco passa também por celebrar o talento português através da criação de um packaging especial que reflete a interpretação deste marco histórico”, explica a marca.

O vinho resulta de uma colheita que estagia em madeira durante períodos de tempo variáveis, nunca inferiores a sete anos, para tornar-se no vinho do Porto de excelência e exclusividade que caracteriza a marca centenária. Proveniente de uma só vindima, a colheita especial Barros 1974 traduz-se num talento que tem vindo a aperfeiçoar-se ao longo do tempo.

Contudo, o grande objetivo deste lançamento era aliar o vinho à arte. É aí que entra a artista Teresa Rego, que interpretou o momento histórico português numa ilustração que celebra o abril sem barreiras ou restrições.

“A liberdade, apesar de ser um conceito diferente de pessoa para pessoa, aliada a esta data em específico, representa uma mudança de paradigma, uma libertação de amarras, a possibilidade de novas perspetivas e de um futuro diferente. A explosão de cores dentro de uma embalagem mais recortada da marca Barros simboliza essa libertação, o rompimento de uma imagem mais sóbria e tradicional para algo com mais possibilidades e interpretações do que cada um de nós considera ser a liberdade”, explica a artista à NiP.

O convite para esta colaboração surgiu através da agência que gere as comunicações da marca Barros, Another Collective. Num esforço por juntar a linguagem da artista e a identidade da marca, a ilustração interpreta a liberdade como sendo algo sem restrições ou constrangimentos, algo com esperança e cor. A ilustração desenvolvida ganha “vida” na garrafa, no rótulo e contra-rótulo e na caixa individual.

A garrafa e a sua respetiva caixa.

“É uma obra que pretende ser um contra-senso cénico: a serenidade em confronto com a força da data, um conceito que se abre à interpretação de cada um. Por fim, uma homenagem viva à coragem de um povo e à beleza da liberdade de pensamento e de criação”, confessa a marca.

Quanto ao vinho do Porto, reconhecido a nível nacional e internacional, com prémios de excelência, a colheita de 1974 resulta num vinho brilhante, de cor âmbar clara. Ao nariz, é rico e envolvente, dominado por aromas de ameixas secas e amêndoas, com uma textura sedosa e delicada. Na boca, destacam-se os frutos secos e as especiarias bem integradas com a madeira. É um vinho elegante, com um final persistente.

Cada garrafa desta coleção, também ela ilustrada, é uma homenagem ao estilo revolucionário que transformou Portugal e um convite a todos os que desejam apreciar e celebrar a história através de uma colheita icónica. De edição limitada e exclusiva, pode considerar-se um objetivo de colecionismo único.

A referência já se encontra à venda em garrafeiras de especialidade por 170€. Apesar de a garrafa não estar disponível no espaço da artista, pode sempre passar pelo atelier de Teresa, na Rua Oliveira Monteiro, 475, no Porto, para apreciar uma mostra da ilustração feita na garrafa e na caixa, ao vivo, assim como fica a conhecer mais sobre o trabalho da artista.

MAIS HISTÓRIAS DO PORTO

AGENDA