comida

Prepare os pauzinhos: há um novo spot de cozinha pan-asiática no Porto

A repórter da New in Porto visitou o Nood e comprovou que os pratos confortam o corpo e a alma.
A comfort food asiática que não sabias que precisamos.

Como primeiro impacto, a localização não poderia ser mais apropriada, na Praça Carlos Alberto, ponto imperdível e de bastante movimento, tanto de locais como turistas. Do exterior, Nood é imediatamente convidativo e viu-se pelos vários curiosos que não resistiam em parar nas suas caminhadas e espreitar o espaço.

Em Lisboa, a marca Nood já é bastante conhecida, tendo aberto em 2006. Atualmente conta com três restaurantes, mais dois em centros comerciais no sul do País. Pelo feedback positivo e a vontade de expandirem a cozinha pan-asiática, inauguraram no passado dia 19 de julho no Porto, mantendo o mesmo conceito de sempre.

O menu é da responsabilidade do chef Bruno Gomes, que fez o Nood a sua casa de eleição e criou os pratos para serem o mais abrangentes possível, para todos que por lá fazem uma refeição possam sair satisfeitos. Foi ainda pensado para seguir as tendências gastronómicas do momento e apresentar pratos asiáticos que sejam recetíveis ao maior número de clientes. 

Antes da abertura, o chef Bruno confessou que fez um estudo de mercado. Basicamente foi passear pelas ruas do Porto, conhecer o que a restauração portuense tem para oferecer e a partir daqui construir um Nood digno da cidade. Uma das conclusões a que chegou prendeu-se com a falta de um restaurante asiático que explorasse receitas distintas, que até acabassem por ser uma fusão asiática, onde um prato pode ser japonês e tailandês simultaneamente.

Tal aposta deu origem a um menu que se destaca e transborda criatividade. Ao todo notam-se quatro famílias diferentes na ementa. As entradas são variadas e de vários pontos diferentes do continente asiático. Por recomendação do chef, provámos um prato tradicional japonês, Nasu Dengaku (5,30€), uma beringela gratinada, agridoce, com molho miso. Perfeita para vegans e vegetarianos, mas deliciosa para qualquer cliente. 

Beringela gratinada com molho miso
A entrada vegan agridoce.

Para acompanhar, o Nood tem sumos naturais que surpreendentemente complementam todos os sabores da refeição. O sugerido foi o sumo Exótico (3,60€), de maçã e laranja, onde se pode ler no menu e é comprovado: “uma verdadeira experiência tropical”. Em 2006, os sumos naturais foram introduzidos, pois na altura era um produto que estava em crescimento e bastante na moda. Ao longo dos anos, o conceito e o feedback foi tão positivo que acabou por se tornar um trademark do Nood. 

Todos os produtos são frescos e criados de raiz, incluindo as massas. As restantes famílias podem notar-se nos pratos de Ramen, Donburi (com arroz) e nos pratos confecionados em woks. Embora pareçam tradicionais, o chef faz questão de dar um toque pessoal nas receitas. Como o próprio refere, “o tradicionalismo não é versátil” e o menu não segue uma temática exatamente por esta razão. 

Nood é o exemplo perfeito de como a chamada comfort food, não precisa de seguir à risca a tradição, tendo sempre como base as receitas centenárias, mas inovando na confeção, apresentação e introduzindo novos sabores. Para o chef Bruno, o mais importante é que os clientes gostem muito da sua comida e que a casa esteja sempre cheia. 

O exemplo desta inovação é o Caril Katsu Don (12,85€), com influência japonesa, o twist do Nood é na masala (junção de especiarias) única e singular, confecionada e preparada pelo chef. Contudo, a recomendação levou-me a escolher o Shoyu Ramen (12,95€), com massa fresca, caldo de frango, tare de soja (molho), peito de frango, ovo de ramen, cebolete, rebentos de soja, menma (bamboo) e mayu (óleo de alho queimado). 

Talvez a menção do alho queimado lhe cause estranheza, mas o sabor é leve, utilizado como toque final e complementa o ramen, trazendo uma sensação de conforto. 

esplanada do nood no coração da cidade
Perfeito para aproveitar o verão no coração da cidade.

Tanto para almoço como para jantar, a frescura dos ingredientes é notável em cada colherada. Esta sensação é possível pela vontade de a equipa do Nood querer produzir tudo em loja, em casa. Com o crescimento, o chef Bruno acredita que vão conseguir chegar a 100 por cento de confeção de todos os produtos. O mesmo dá relevância a esta autenticidade, pois só havendo absoluto controlo da qualidade do que é apresentado, consegue-se manter consistência e “num restaurante pan-asiático é importante ser-se consistente”. 

O que distingue o Nood de todos os outros restaurantes não são os pratos inovadores, pois como se pode experienciar, já muitos são conhecidos e populares. “Os pratos não são inovadores, já existem e estão disponíveis em vários restaurantes. Ou seja, o que nos distingue são as nossas receitas, a preparação, os sabores.” 

Se estiver a explorar a cidade e a fome apertar, o Nood é um restaurante perfeito para fazer uma pausa e relaxar um pouco, por isso saiba que a estação de metro mais próxima são os Aliados, a 500 metros (linha amarela — D). 

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    Praça de Carlos Alberto, 92
    4050-526 Porto
  • HORÁRIO
  • Todos os dias das 12h às 15h e das 19h às 23h
PREÇO MÉDIO
Entre 20€ e 30€
TIPO DE COMIDA
Asiática

MAIS HISTÓRIAS DO PORTO

AGENDA