comida

Sopa de francesinha e uma barrica de vinho para sobremesa? Sim, pode provar tudo no Porto

Restaurante Dona Maria do hotel The Lodge apresenta as criações do chef João Vieira, inspiradas na gastronomia local e nacional.
Fotografias de Dona Maria.

Quando chega o bom tempo começam a apetecer sabores diferentes, pratos mais leves e opções mais coloridas, mesmo que não deixemos de lado alguns pratos de conforto. É também na primavera que os restaurantes mudam muitas vezes a sua carta e por isso há novidades para conhecer no Dona Maria, o espaço que se situa no hotel The Lodge, mesmo junto à zona das caves de Vinho do Porto.

Uma das grandes novidades passa pela autoria da carta, que agora pertence ao chef João Vieira. Embora esteja aos comandos do espaço há quase um ano, esta é a sua primeira carta e aproveitou para nela demonstrar o seu amor pela cozinha e pela gastronomia local e nacional, dando-lhe a sua própria interpretação.

“Quando aceito um projeto, tem que encantar-me e eu fiquei encantado com este projeto de cozinha portuguesa como em casa, de conforto”, começa por explicar o chef.

Nesta nova carta juntou a cultura e a história com elementos que apelam aos sentimentos e memórias e que, embora mais requintados e com o cunho pessoal do chef, remetem para o tradicional e o conforto da comida portuguesa. É por isso que a nova carta tem uma sopa inspirada na francesinha típica do Porto, uma versão da conhecida pescada Poveira e até elementos que remetem para o conceito do vinho — tão presente no hotel — através de detalhes como uma barrica construída para servir uma das sobremesas.

“Acredito que os resultados na cozinha vêm da junção de todas as visões e por isso estou aberto às visões da equipa”, afirma, defendendo que todos têm a oportunidade de apresentar as suas ideias e trazê-las para a carta.

O Dona Maria manteve na carta alguns dos seus pratos mais apreciados pelos clientes como o arroz de enchidos e aproveita para continuar a apostar na comida de conforto, típica dos tachinhos e tabuleiros que as mães e avós faziam nos almoços de família. Esses elementos, em versão mais pequena e requintada, estão também presentes na apresentação e empratamento da carta, que começa por conquistar quem prova logo pelo olhar, ainda antes de sentir o paladar.

Assim, conte na nova carta com entradas como empada de perdiz de Vila Nova de Foz Côa com salada de erva-benta e lavanda (18€), sopa cremosa de tomate coração de boi assado com a sua francesinha (12€) ou lírio dos Açores com citrinos, abóbora confitada, funcho, gengibre e alecrim (16€). Diretamente do mar vem a pescada à Poveira reinterpretada (29€), enquanto do campo chega o lombo de porco preto corado com vieiras, esparregado de nabiças com sabores alentejanos (32€).

Para quem procura as opções de conforto, há as apresentações de tacho. Nas novidades constam o arroz malandrinho de tamboril e gambas (32€) e o coelho à caçador albardo em couve e nozes, com arroz de miúdos e vinho tinto (26€).

Os olhos também comem e por isso está reservada para a sobremesa a parte mais sensorial e visual da experiência. Num colorido prato — onde nem um borrifador de perfume falta — chegam os aromas frescos de tributo à primavera com suspiros de verão, como lavanda, sardinheira, jasmim, flor de laranjeira e perfume de rosas (14€) e na sua barrica aquecida vem a interpretação do chef das famosas sopas de vinho, através da barrica de touriga nacional e suas notas de ameixa e cassis (16€).

Além das novidades da carta, que chegaram no início de abril, o Dona Maria tem outras novidades que surgirão também em breve. A partir de maio regressa o brunch de domingo e são esperadas outras atividades para a chegada do bom tempo.

Até lá, carregue na galeria para descobrir como são os novos pratos.

ver galeria

MAIS HISTÓRIAS DO PORTO

AGENDA