compras

Do digital para o mundo real: Dicci abriu primeira loja de rua no Porto

A marca, fundada em 2017, destaca-se pela joalharia e pelas propostas de vestuário unissexo.
O marca vende joias e roupa.

Joias e moda masculina. Esta combinação foi o segredo por trás do sucesso inicial da Dicci, fundada em 2017. O processo de desenvolvimento da marca levou-a, naturalmente, a alargar a oferta às propostas unissexo. E se o mundo digital foi o ecossistema ideal para germinar e crescer, volvidos sete anos sobre a criação da etiqueta, chega finalmente a primeira loja de rua.

“O sito que escolhemos fica no coração do Porto, mais concretamente na Avenida da Boavista, em frente à emblemática Casa da Música. Queríamos um local central, que fizesse jus à nossa marca e, portanto, ou íamos para a Baixa ou teria de ser aqui. Acabamos por encontrar este espaço livre e decidimos juntar o útil ao agradável”, conta Lourença Figueirinhas, do departamento de marketing.

A inauguração decorreu este sábado, 6 de abril, mas a ideia já estava em cima da mesa desde o ano passado. “Tínhamos muita vontade de inovar. Queríamos chegar ao contacto pessoal com os clientes, algo que até aqui não tínhamos oportunidade de fazer devido à venda dos produtos ser exclusivamente online.”

O objetivo passa por oferecer uma experiência única, onde sobressai a personalidade da marca. “Não vai ser apenas um ponto de venda, mas um espaço que reflete a identidade sofisticada e inovadora que temos construído ao longo dos anos. Quem entrar aqui será absorvido pela boa disposição, a essência do nosso lifestyle.”

“O objetivo é rentabilizar e aproveitar da melhor forma estes 50 metros quadrados. Até porque queremos organizar várias iniciativas e a primeira já está pensada: todas as sextas-feiras vamos receber um DJ ao final da tarde. A ideia é que as pessoas se venham divertir, descontrair, conviver, passar um bom bocado com os amigos.”

As tonalidades claras, dos brancos aos beges, fundem-se na perfeição com a distribuição dos vários espaços. Na entrada, situada no início de uma espécie de corredor largo, sobressai o balcão lateral. As paredes, texturadas e rugosas, incluem várias saliências quadradas que servem de expositores aos vários artigos em destaque. Mas voltando ao início de tudo. Em 2017, Moisés Teixeira, de 30 anos, e Catarina Azevedo, sua sócia, notaram a ausência de joias masculinas na maioria das montras. “Era um mercado com grandes lacunas e nós fomos dos primeiros a tentar colmatá-las. Penso que parte do sucesso que alcançámos se deve precisamente ao facto de termos sido pioneiros.”

Todas as peças são desenhadas e produzidas em Portugal. Catarina Azevedo é a responsável pela maior parte das criações que diz serem “para todos”. Os materiais utilizados são sempre a prata e o aço inoxidável. Pelo catálogo da marca, e brevemente no seu espaço físico, vai encontrar pendentes, colares, pulseiras, brincos e peças de roupa que vão desde camisolas a bóxeres. “O segmento do vestuário não apareceu logo ao início, mas mais do que uma marca tornamos-mos um conceito e por isso achamos que fazia todo o sentido aumentar a oferta de produtos.”

Os bestsellers são a pulseira escrava, a pirâmide e os escapulários, revela Lourenço. “São peças muito bonitas, que marcam pela diferença. Saltam sempre à vista entre os restantes acessórios e a verdade é que a qualidade também é ótima. As pessoas que mais as utilizam são as que têm um estilo de vida mais descontraído, que gostam de aproveitar cada dia, de ir beber um copo com os amigos numa esplanada ao fim da tarde.”

Embora a maioria dos clientes da Dicci sejam portugueses entre os 18 e os 30 anos, a marca também vende para os mercados inglês, italiano e espanhol. “No futuro gostávamos de ter espaços físicos nestes países, porque representam uma grande parte das nossas receitas no digital.”

Todas as peças da marca estão disponíveis online, mas também no espaço recém-inaugurado na Avenida da Boavista, no Porto. Os preços oscilam entre os 20 e os 120€.

Carregue na galeria para ver imagens da loja, bem como de alguns dos modelos que poderá encontrar por lá.

MAIS HISTÓRIAS DO PORTO

AGENDA