compras

IKEA aumenta salários de entrada dos trabalhadores para mil euros

A subida representa um investimento de 5,9 milhões de euros na massa salarial dos operadores de retalho.
O salário situava-se nos 750 euros.

Em novembro, a IKEA Portugal anunciou que pretendia pagar um bónus de salário e meio a todos os trabalhadores no último mês do ano. Desta vez, a multinacional revelou uma novidade ainda mais significativa. A cadeia junta-se a outros grupos — como a Mercadona, o Lidl e a Auchan —com o aumento do salário de entrada para todos os colaboradores a tempo inteiro no próximo ano.

A partir de janeiro de 2023, o salário mínimo mensal vai atingir os 1000 euros brutos. Até ao momento, os colaboradores, na área do retalho, recebiam 750 euros por mês, ou seja, a atualização salarial traduz-se numa subida de 250 euros para todos os funcionários do Grupo Ingka, detentor da marca.

Os motivos apontados pela empresa passam não só pelos resultados positivos ao longo do ano, mas também pela subida do custo de vida e a competitividade no setor. Através deste investimento em 5,9 milhões de euros, na folha salarial, assegura-se que o bem-estar dos cerca de 2800 colaboradores do retalho.

“Trabalhamos diariamente para ter uma oferta completa e relevante de compensações e benefícios, da qual o salário faz parte. Ao longo dos últimos anos, temos feito um esforço constante para aumentar rendimentos e apoiar os colaboradores”, diz Cláudio Valente, gestor da IKEA Portugal.  “Queremos oferecer melhores condições de trabalho, que se traduzem, diretamente, em melhores condições para a vida pessoal”.

Ao salário base de entrada, é somado o subsídio de alimentação, que também passou por uma atualização para 6€, o seguro de saúde, ajuda à parentalidade e, caso os objetivos sejam atingidos, o pagamento de um bónus.

MAIS HISTÓRIAS DO PORTO

AGENDA