compras

Joana junta a paixão pelo cinema de animação à cerâmica e cria personagens únicas

Tem um atelier no Porto e organiza oficinas e workshops mensais para ajudar outras pessoas a desenvolverem os seus projetos.
Tem 34 anos.

Joana Nogueira sempre esteve ligada às artes e quando decidiu que queria tentar algo novo, sabia que seria na mesma área. Especializada em Cinema de Animação, hoje é a proprietária do Terra Boa, um atelier de cerâmica na cidade do Porto onde junta a paixão pela animação com a da cerâmica, criando personagens divertidas.

“No cinema, faço marionetas e este trabalho passa muito pela escultura e manualidade. O que fiz foi exportar isso para a cerâmica também”, começa por contar à New in Porto. “As duas coisas estão bastante ligadas porque trabalho muito com personagens em ambas”, acrescenta. Em 2016, depois de ter finalizado um projeto de animação, a artista de 34 anos decidiu participar num workshop de cerâmica. Desde então, apaixonou-se pela arte.

No início de 2020, surgiu a oportunidade de abrir o próprio estúdio onde hoje consegue “produzir mais e ter a própria autonomia”. E é no seu dia a dia que encontra inspiração. “Para desenvolver as personagens, trago coisas que eu própria sinto e observo”, partilha. Além disso, tem artistas como Jan Svankmajer e Iwamura como inspirações. O primeiro no cinema e o segundo na cerâmica. 

Entre as peças mais recentes que fez, está também a sua favorita: uma personagem robotizada que batizou de KAHOS. Nesta, utilizou várias técnicas, em especial para “resolver os acidentes” que encontrou pelo caminho — algo comum na cerâmica. “Foi um desafio muito grande pela dimensão dela. Tentei testar os limites do barro e do forno”, recorda. “Dá mais prazer fazer peças escultóricas com dimensões maiores do que mais pequenas. Acaba por ter de ser um balanço entre os dois valores”, diz. 

Por outro lado, apesar dos acidentes serem frequentes na área, Joana frisa que não se sente triste ou frustrada quando estes acontecem. “Não sou uma pessoa muito apegada”, diz, entre risos. “Vivo bem com eles porque acredito que a partir dos erros é que surgem coisas novas e mais interessantes do que a ideia inicial que nós tínhamos e este é um dos exercícios que mais gosto na cerâmica. Quando fico frustrada, é só no primeiro momento mas logo depois na minha cabeça começo a formular soluções. Se não encontro uma, está tudo bem porque há tanto barro e podemos começar a fazer uma nova peça”, partilha. 

KAHOS.

A criatividade da ceramista também vai além das peças e dos projetos cinematográficos. Quando iniciou a carreira na cerâmica, Joana adotou uma assinatura única: “Não Sou Rita”. Na altura, o trabalho ainda não era um negócio e a artista não sabia que nome queria dar à página no Instagram. Mais uma vez, foi buscar inspiração no seu dia a dia. 

“O meu nome é Joana Rita e nunca lidei bem com essa junção. Quis escolher algo mais pessoal e daí, surgiu o Não Sou Rita“, recorda. “As pessoas acabam por muitas vezes me chamar de Rita portanto não teve muito sucesso”, brinca. O nome, porém, acabou por conquistar a artista que decidiu mantê-lo até os dias de hoje. 

Atualmente, no Terra Boa, Joana também organiza oficinas e workshops mensais para ajudar outras pessoas a desenvolverem projetos pessoais. Nas oficinas, tem residentes que recebe desde 2020. Já nos workshops, as pessoas “trazem as suas ideias e estão todas à volta da mesa a fazer as próprias peças”, que vão desde esculturas a objetos mais decorativos. 

Estes estão disponíveis para idades a partir dos 12 anos, mas a artista avança que o público que recebe é “maioritariamente adulto”. No futuro, porém, quer também trabalhar com os miúdos. “É uma ideia que tenho de fazer porque as pessoas me têm pedido, mas ainda não trabalho com miúdos na cerâmica”, explica. 

O atelier da artista fica no número 832 da Avenida da França, na cave E, e está sempre pronto para receber admiradores ou interessados desde que façam marcações prévias. “Não é um atelier de porta aberta mas podem sempre falar comigo pelo Instagram, por email ou telemóvel para agendarmos um horário”, remata. 

De seguida, carregue na galeria para conhecer o trabalho de Joana. 

MAIS HISTÓRIAS DO PORTO

AGENDA