compras

O vestido azul tie-dye que faz qualquer mulher parecer mais magra

A sugestão midi tem um decote em v com um efeito cruzado e um pormenor de laçada na zona da cintura.
Está à venda nas lojas.

O tie-dye é uma das tendências mais polémicas no mundo da moda. Apesar de regressar todos os anos, a verdade é que para além daqueles que o adoram, também são muitos os que o odeiam. Ainda assim, este padrão não deixa de aparecer em modelos mais leves e frescos, perfeitos para serem utilizados nos dias com as temperaturas como as que vão estar esta sexta-feira, 5 de abril.

Embora o estampado tenha ficado mais famoso na altura da pandemia e houvesse muita gente em casa a tentar criar as suas próprias peças com este efeito, a verdade é que a arte de tingir peças não é recente. Surgiu no Japão, por volta do século VI, e por lá a técnica chama-se simplesmente shibori.

No entanto, foi nos anos 60 e 70 do século passado que se tornou popular, especialmente porque os hippies assumiram o estampado irreverente como elemento essencial das suas imagens de marca. Hoje em dia, está ao alcance de qualquer um porque não faltam propostas nas lojas com o padrão tie-dye, e a Vilanova tem um vestido em tons azuis que vai querer que faça parte do seu armário.

A sugestão midi tem um decote em v com um efeito cruzado, o que valoriza bastante a zona do peito. Além disso tem um pormenor de laçada na zona da cintura, que não só realça esta parte da silhueta e a faz parecer mais magra, como também pode ser atado na parte da frente ou de trás.

As mangas compridas são mais largas, fazendo quase o fit balão das propostas mais românticas e terminam com um botão no punho. No fundo, a versatilidade do vestido faz com que se torne uma boa aposta para qualquer ocasião, seja ela mais descontraída ou formal.

A proposta tie-dye custa 29,99€ nas lojas físicas e no site da Vilanova. Pode comprá-lo entre os tamanhos S e L.

Carregue na galeria para conhecer vários vestidos com padrão animal. Há de várias cores, cortes e feitios, só tem de escolher aquele com o qual se identificar mais.

MAIS HISTÓRIAS DO PORTO

AGENDA