compras

Primark deverá ocupar o edifício onde está a Fnac de Santa Catarina

A loja da cadeia francesa e da marca de roupa C&A deverão abandonar aquele espaço até ao final do ano.
Vêm aí a primeira loja de rua da Primark.

Quem passa pela Baixa do Porto não fica indiferente ao edifício que, entre os anos 40 e 70, acolheu o icónico Café e Galerias Palladium. Desde 2000 que a única loja de rua da retalhista francesa no Porto funcionava como paragem obrigatória. Contudo, segundo avançou o “Jornal de Notícias”, esta quinta-feira 29 de fevereiro, até ao final de dezembro, a Fnac de Santa Catarina deverá encerrar.

Apesar de ainda não ter sido revelada a data, espera-se que a loja ao lado, C&A também encerre. Quanto à Urban Project, uma loja de roupa que está no prédio vizinho, também deverá encerrar até à altura da Páscoa. Em causa está a não renovação dos contratos de arrendamento por parte dos proprietários de ambos os edifícios.

Esta sexta-feira, 1 de março, o “Jornal de Notícias” avança que uma das maiores lojas low-cost de retalho, a Primark, deverá ocupar todo o espaço de onde vão sair a Fnac e a C&A.  Atualmente, a marca irlandesa tem dois estabelecimentos no Grande Porto, no NorteShopping e no Parque Nascente. Até ao momento. não foi revelada a data da abertura daquela que será a primeira loja de rua da Primark em Portugal, à semelhança do que já acontece, por exemplo, na Gran Vía (Madrid, Espanha) ou em Birmingham (Reino Unido).

Nelson Ribeiro, porta-voz da Primark em Portugal, confirma ao “JN” o entusiasmo da marca pela expansão. “Ficamos contentes por saber que os portuenses gostariam de ter mais uma loja Primark. Como um negócio em expansão, estamos sempre à procura de novas oportunidades para a localização das lojas”.

O novo espaço deverá ocupar assim os 5.100 metros quadrados do edifício, à semelhança do que acontece na loja no NorteShopping, que até ao momento é considerada “a maior e mais moderna” do País, e que inclui ainda um Beauty Studio, com serviço express de beleza, meia centena de provadores, mais de 50 caixas e cerca de 350 empregados.

MAIS HISTÓRIAS DO PORTO

AGENDA