compras

Vandoma lança coleção sustentável para celebrar os 40 anos

Marca histórica portuense de gravatas continua a crescer. E agora tem várias novidades com tecidos reaproveitados.
Fotografias de Vandoma.

Quando foi criada, em julho de 1982, a Vandoma dedicava-se sobretudo aos lenços e bandanas. Porém, o tipo de oferta foi ganhando mais elementos e as gravatas tornaram-se no principal foco da marca, que se recusa a ficar parada no tempo. Prova disso é a nova coleção, que, segundo a marca, é a mais sustentável de sempre.  

Apesar de vir da área da metalúrgica e não ter nenhuma ligação com o têxtil, António Manuel de Sousa decidiu aproveitar uma oportunidade de negócio — que percebeu pelo aumento da procura — e abrir esta fábrica no Porto, há 40 anos. A justificação para o nome da empresa é simples:“Além de ser a santa padroeira da cidade do Porto, era onde a minha avó paterna nasceu, na freguesia de Vandoma”, explica à New in Porto a filha do dono e também responsável da marca, Ana Lisa Sousa.

No início, o principal produto da Vandoma até passava pelos lenços ao estilo bandana, que estavam em alta nos anos 80. Só depois, com a evolução da moda e o facto de muitos homens ainda usarem gravata, é que passaram a fazer também gravatas e produtos como laços. Ao longo dos anos foram criando várias marcas próprias e trabalham ainda para outras empresas. No entanto, a Vandoma é a etiqueta mais antiga, com 40 anos, e aquela que se distingue por ter as gravatas de seda mais elegantes e com tecidos de melhor qualidade.

A matéria-prima vem de Itália, mas a confeção é feita cá, no Porto, numa fábrica que fica na Rua Costa Cabral, bem no coração da cidade. É lá que trabalha a equipa que atualmente tem 12 elementos — dos quais dois são da Síria e um do Brasil. A produção diária pode rondar as 300 gravatas.

Ana Lisa Sousa.

Grande parte da produção da Vandoma é para exportação, com uma aposta na internacionalização feita desde 2013. “Em Portugal, infelizmente, ainda se privilegia mais as gravatas de poliéster por causa do preço”, diz Ana Lisa. Assim, é em mercados como os EUA, Espanha, Reino Unido, Suíça ou até, mais recentemente, Iraque, que está a grande aposta da marca.

O segredo para o sucesso poderá passar pelo facto de conseguirem “prestar um serviço imediato que muitas vezes nas gravatas faz toda a diferença”, o que acontece mesmo em alturas de mais trabalho, como na época de verão em que há muitos casamentos.

Se em 2019 a marca cresceu bastante, a pandemia acabou por obrigar a Vandoma a reinventar-se. Nessa altura, aproveitaram tecidos que estavam parados em armazém por terem passado um pouco de moda e fizeram o que fazia realmente falta aos portugueses. “Dedicámo-nos às máscaras, portanto tivemos que aproveitar todos os tecidos porque são 40 anos de atividade e nós temos um grande stock de tecidos.”

Depois, chegaram pedidos de médicos para fazerem as toucas a condizer. Os responsáveis apostaram nessa vertente criando uma linha específica com esses produtos. De todo esse reaproveitamnto surgiu ainda a ideia de criar uma coleção mais sustentável. Fizeram-no primeiro com os pedaços de tecidos que serviam de amostras, normalmente pedaços com cerca de 15 centímetros, mas decidiram ir mais longe. Assim, nasceu a coleção Patchwork, que chegará mais em força em setembro e que aproveita todos os pedacinhos de tecido, numa composição única e irrepetível. É a mais sustentável da marca até agora e é também aquela que vai obrigar os clientes a confiarem ainda mais no seu trabalho porque, com exceção das lojas, em que se vê a peça ao vivo, será difícil dizer que padrões vai encontrar na gravata.

Todas as semanas há novos modelos e padrões para descobrir e tendências para acompanhar, não só nas lojas multimarca onde estão os produtos da Vandoma como no próprio site da marca. Por lá pode comprar as gravatas, os lenços, os laços e até outros acessórios — como as máscaras, as toucas, suspensórios ou botões de punho. No caso das gravatas de seda, os preços variam habitualmente entre os 49,90€ e os 60€.

Carregue na galeria para descobrir mais detalhes sobre a Vandoma.

ver galeria

MAIS HISTÓRIAS DO PORTO

AGENDA