cultura

Alec Baldwin assegura que não puxou o gatilho da arma usada em “Rust”

O ator falou pela primeira vez sobre o assunto. Os seus testemunhos contradizem os que já conhecíamos.
O ator falou pela primeira vez sobre o acidente que matou a diretora de fotografia.

A polémica em torno do acidente que vitimou Halyna Hutchins, diretora de fotografia, durante as gravações do filme “Rust” tem novos capítulos. Nas últimas semanas, Alec Baldwin foi alvo de vários processos. Primeiro, pelo chefe-eletricista; e mais tarde pela anotadora do filme.  Numa entrevista à “ABC News”, fala pela primeira vez sobre o caso mediático.

“Então nunca puxaste o gatilho?”, pergunta George Stephanopoulos, o entrevistador. “Não, não, não, não, não. Nunca apontaria uma arma a ninguém, nem puxaria o gatilho. Nunca”, disse Baldwin.

No entanto, a afirmação do ator parece contradizer os outros relatos no local. Quando chegaram ao set das gravações, as autoridades relataram que “a arma foi disparada pelo ator Alec Baldwin”. Mamie Mitchell, a anotadora, alega que o guião do filme não mencionava que havia um disparo durante aquela cena. A profissional processou o ator por agressão e provocação intencional de sofrimento emocional. Como anotadora, a sua função era supervisionar a cronologia da história e o cumprimento do argumento.

“Na nossa opinião, o senhor Baldwin escolheu jogar à roleta russa quando disparou uma arma sem a verificar e sem que o armeiro o fizesse na sua presença”, disse numa conferência de imprensa a advogada da anotadora.

Durante a entrevista, Stephanopoulos pergunta ainda como é que uma bala verdadeira foi parar ao set de “Rust”. “Não faço ideia. Alguém pôs uma bala verdadeira na arma, uma munição que nem devia estar na propriedade”, respondeu o ator.

Ao descrever Halyna Hutchins, vítima mortal do acidente, Alec Baldwin emociona-se e começa a chorar. “Era alguém que era amada por todas as pessoas com quem trabalhava, era bastante admirada. Ainda me custa a acreditar nisto tudo que aconteceu. Simplesmente não parece algo real.”

“Olho para trás e penso ‘o que é que eu poderia ter feito de diferente?'”, revelou, após contar que esta tragédia foi a pior coisa que alguma vez lhe aconteceu na vida.

MAIS HISTÓRIAS DO PORTO

AGENDA