cultura

Atores de “Romeu e Julieta” processam estúdio por abuso e nudez infantil

Na altura, Olivia Hussey tinha 15 anos e Leonard Whiting, 16. Alegam ter sido obrigados a aparecer nus numa cena no quarto.
Tinham 15 e 16 anos.

Olivia Hussey e Leonard Whiting protagonizaram o filme “Romeu e Julieta”, lançado em 1968. Mais de 50 anos depois, ambos estão a processar a Paramount, acusando o estúdio de exploração sexual e nudez infantil devido a uma cena em que apareciam nus. Hussey tinha 15 anos, enquanto que Whiting completara 16. Os atores pretendem receber cerca de 500 milhões de dólares (aproximadamente 470 milhões de euros).

O processo foi apresentado na passada sexta-feira, 30 de dezembro, no Tribunal de Santa Monica, na Califórnia. O documento explica que Franco Zeffirelli, o realizador que acabou por morrer em 2019, prometeu as atores que não haveria nudez no filme, e que apenas usariam roupa interior no seu tom de pele durante a tal cena no quarto. No entanto, no último dia de filmagens, Zeffirelli implorou que aparecessem completamente sem roupa ou “o filme falharia”.

O realizador também assegurou que o posicionamento das câmaras não apanharia o corpo dos atores. “O que lhes disseram e o que aconteceu foram duas coisas diferentes”, explica Tony Marinozzi, o gerente de ambos, citado pelo site “Variety”.

“Eles confiavam no Franco. Aos 16 anos, como atores, seguiram os seus conselhos e acreditaram que ele não os trairia. O Franco era amigo deles e, sinceramente, aos 16 anos o que é que poderiam fazer? Não havia opções, não existia o movimento Me Too.”

Segundo a queixa apresentada, Hussey e Whiting sofreram stress e angústia emocional nos cerca de 55 anos que se seguiram ao lançamento do filme, e também perderam muitas oportunidades de emprego. “Nudez de menores é contra a lei e não devia ser exibida”, diz, desta vez, Solomon Gresen, o advogado dos dois. “Eram apenas miúdos ingénuos nos anos 60 e não sabiam o que lhes iria acontecer no futuro. De repente, eram famosos a um nível pela qual nunca esperaram e, além disso, foram violados de uma maneira com a qual não conseguiam lidar”, acrescenta.

Entrevistas antigas (mas ainda recentes) dos atores mostram, contudo, uma opinião diferente à atual. Em conversa com a “Variety”, em 2018, Hussey defendeu aquela cena no quarto. “Ninguém com a minha idade tinha feito isso antes. Era necessário para o filme”. No mesmo ano, numa entrevista ao canal Fox News, afirmou que a cena era tabu nos Estados Unidos, mas nudez já era muito comum nos filmes europeus. “Não foi um grande problema. E o Leonardo não tinha vergonha. Durante as filmagens acabava por me esquecer de que não tinha roupas vestidas”, recorda.

MAIS HISTÓRIAS DO PORTO

AGENDA