cultura

Documentos inéditos de espiões e refugiados da II Guerra Mundial estão em exposição no Porto

A obra de Neill Lochery está no átrio dos Paços do Concelho e poderá ser visitada a partir do dia 4 de abril, segunda-feira.
Uma das imagens da exposição.

A inauguração da exposição “1941: Guggenheim and Fleming, Artists & Spies in WWII Portugal”, de Neill Lochery, está marcada para esta sexta-feira, 1 de abril, a partir das 17h30. No átrio dos Paços do Concelho passam agora a estar à disposição do público mais de uma centena de documentos.

“A partir de 1941, Portugal assumiu-se como um dos últimos pontos de fuga de refugiados de toda a Europa, fossem judeus ou antinazis, à procura de escapar da morte e da destruição causada pelo conflito. Entre os que aqui chegavam estavam escritores como Kay Boyle, Laurence Vail, Andre Breton, os artistas Max Ernst, Leonora Carrington, Marc Chagall ou o famoso colecionador de arte Peggy Guggenheim”, explica a Câmara Municipal do Porto em comunicado.

Além destes artistas, o País foi também o destino de espiões como Ian Fleming, que mais tarde inspirou o personagem de James Bond. Através desta exposição, o autor “procura mostrar a contribuição de Portugal ao assumir-se não só como local de passagem segura para artistas durante a II Guerra Mundial, mas como inspiração para a literatura de espionagem a nível mundial”.

Professor catedrático em Estudos Mediterrâneos e do Médio Oriente na University College London, Neill Lochery é também autor de 12 livros. Entre esses títulos incluem-se “Porto: A entrada para o mundo” ou “Lisboa: a Guerra nas Sombras da Cidade da Luz – 1939-1945”, que celebra dez anos.

Radicado no Porto, o autor e historiador escocês reuniu vários documentos, vídeos e fotografias inéditos sobre espiões e artistas refugiados em Portugal na II Guerra Mundial. São 15 anos de pesquisa que resultam em documentos recolhidos em locais distintos da Europa e dos Estados Unidos da América e que contam com a curadoria de Emma Lochery, especialista de arte e cultura.

A exposição de Neill Lochery marca o regresso à atividade virada para o público do átrio dos Paços do Concelho depois de dois anos de pandemia, contando com o apoio da autarquia para a organização e da Corticeira Amorim para a produção.

Apesar de a inauguração oficial estar marcada para 1 de abril, “1941: Guggenheim and Fleming, Artists & Spies in WWII Portugal” ficará disponível ao público apenas a partir de 4 de abril. As visitas são gratuitas e podem ser feitas nos dias úteis entre as 9 e as 17 horas.

MAIS HISTÓRIAS DO PORTO

AGENDA