cultura

“Intimidade”: a nova série espanhola da Netflix começa com a divulgação de uma sextape

Uma das estrelas de “La Casa de Papel” é a protagonista desta história que está a conquistar os portugueses.
Itziar Ituño era Lisboa em “La Casa de Papel”.

Está em quarto lugar no ranking das séries mais vistas do momento na Netflix em Portugal. Falamos de “Intimidade”, produção espanhola que estreou na plataforma de streaming na sexta-feira passada, o feriado de 10 de junho. 

A grande protagonista é a atriz Itziar Ituño, uma das estrelas de “La Casa de Papel”, onde interpretou a inspetora Raquel Murillo que, depois, se tornou uma assaltante com nome de código Lisboa. Aqui, é Malen Zubiri, a vice-presidente da autarquia de Bilbao — e favorita a vencer as próximas eleições para presidente da câmara.

Zubiri é uma política honesta e respeitada entre diferentes quadrantes políticos. Mas tudo muda — e fica em risco — quando um vídeo íntimo seu é divulgado à sua revelia para o público. De repente, Malen Zubiri fica mal vista e começa a ser renegada dentro do próprio partido e na sociedade em geral. Isso também vai gerar, claro, problemas no seio da sua família.

A narrativa inclui ainda a história de Begoña, irmã de Ane, jovem que tira a própria vida no início da série. Rapidamente descobrimos o motivo que a levou ao suicídio: a divulgação de imagens íntimas suas. 

Este é o grande tema de “Intimidade”, que procura ter uma abordagem algo pedagógica, explicando que este fenómeno recorrente numa era de redes sociais é criminoso e pode ter consequências desastrosas. Muitas vezes pode ser causado, por exemplo, por um antigo parceiro — no caso da história fictícia de Malen Zubiri, o plano era mesmo orquestrar a sua queda política.

Ane não resistiu à pressão, ao trauma e à vergonha que sentiu. Malen, por outro lado, consegue passar ao ataque e apontar o dedo à cultura machista da sociedade e da política, tentando reafirmar o seu lugar enquanto candidata ao cargo.

Outra personagem importante em “Intimidade” é a detetive Alicia, responsável pelo caso da morte de Ane e que tenta convencer Malen a apresentar queixa para que os culpados pela divulgação das suas imagens sejam responsabilizados, tornando o caso num exemplo para tantas outras pessoas. A série quer deixar claro que a culpa nunca é da vítima.

A produção espanhola conta com oito episódios, escritos por Verónica Fernández e Laura Sarmiento Pallarés, e dirigidos por vários realizadores. O elenco inclui ainda nomes como Verónica Echegui, Emma Suárez, Patricia López Arnaiz, Ana Wagener ou Miguel Garcés, entre outros.

Carregue na galeria para conhecer outras novidades da Netflix (e não só).

MAIS HISTÓRIAS DO PORTO

AGENDA