cultura

Johnny Depp vende as suas primeiras obras de arte e fatura milhões

Depois de ganhar o caso mais mediático do ano, o ator de 59 anos pôs mãos à obra e os resultados estão à vista.
A arte do ator.

Quase dois meses depois de ter protagonizado o caso mais mediático do ano contra a ex-mulher Amber Heard, Johnny Depp organizou uma exposição, esta quinta-feira, 28 de julho, com um total de 780 obras pintadas por si, que lhe renderam aproximadamente 3,6 milhões de euros.

O anúncio foi feito pelo próprio na sua página de Instagram, onde partilhou uma fotografia sua sentado em frente a algumas das suas pinturas e escreveu “NOW AT #CASTLEFINEART. A espera, finalmente, acabou”. A galeria, Castle Fine Art, em Londres, anunciou na sua página “Temos o prazer de anunciar que a última assinatura é o ator, músico e artista aclamado pela crítica, #JohnnyDepp”.

Nem 20 minutos passaram, segundo a organização da iniciativa, e o site caiu, tal era a afluência de compradores. Mais tarde, a galeria escreveu um tweet onde revelou: “#JohnnyDepp broke the internet!”

As 780 obras de arte do ator de 59 anos foram vendidas por um total estimado de 3,65 milhões de dólares, o equivalente a 3,57 milhões de euros. A galeria mostrou-se surpreendida e adiantou: “Este primeiro lançamento mundial provou ser a nossa venda de coleção mais rápida até à data, com todos os quadros esgotados em apenas algumas horas”.

A coleção que levou a Internet à loucura chama-se Friends & Heroes e inclui retratos de personalidades célebres e que, de acordo com a galeria, são “pessoas que conheceu bem e que o inspiraram”. Bob Dylan, Al Pacino, Keith Richards, Elizabeth Taylor e a filha, Lily-Rose Depp, são algumas das caras que figuram nas obras produzidas pela estrela de “Os Piratas das Caraíbas”.

“Cada imagem é um reflexo íntimo do seu caráter aos olhos de Johnny; um retrato de como eles se revelaram para ele”, disse Castle Fine Art sobre a arte pop-meets-street. “Do seu querido amigo Keith Richards, que inspirou os maneirismos do infame Capitão Jack Sparrow, a Bob Dylan, cuja influência criativa sobre o artista é vista em seu retrato vívido e imortal de Johnny.”

O ator explicou em comunicado como surgiu esta forma artística na sua vida: “Sempre usei a arte para expressar os meus sentimentos e para refletir naqueles que mais significam para mim, como a minha família, amigos e pessoas que admiro. As minhas pinturas rodeiam a minha vida, mas eu guardei-as para mim e limitei-me. Ninguém se deve limitar a si mesmo”.

MAIS HISTÓRIAS DO PORTO

AGENDA