cultura

Música, estreias e realidade virtual: TMP celebra 10 temporadas no fim do verão

Ao longo de quatro meses, a partir de setembro, o teatro portuense assinala a passagem de 900 mil visitantes com várias atividades.
Espetáculos com realidade virtual são uma das grandes novidades.

Com o objetivo de apresentar uma agenda cultural eclética, o Teatro Municipal do Porto (TMP) está a preparar a sua décima temporada de espetáculos. Ao longo de quatro meses, começando já em setembro, o TMP vai receber dez estreias absolutas, nove nacionais, música e até realidade virtual. 

A ideia é celebrar as mais de 900 mil pessoas que, ao longo de dez temporadas, passaram pelo Teatro Rivoli e Campo Alegre, pilares do Teatro Municipal do Porto. “O número 10 representa a conclusão de um ciclo e a construção de outro”, afirmam à NiP os codiretores artísticos Cristina Planas Leitão e Drew Klein, acrescentando: “Recomeçar não é o mesmo que partir do zero. O passado deixa uma marca na nossa memória, simultaneamente vivida e cultural, que nos acompanha para o futuro, quer queiramos quer não. Esta evocação da memória atravessa os espetáculos ao longo destes meses. Esta temporada inclui obras que visam reforçar a ligação entre artistas e públicos e um tempo e um espaço específicos, seja por meio da música, do toque ou de reinvenções”.

Tal como em 2014, o TMP abre as portas no segundo fim de semana de setembro e convida a refletir os mais de 1.200 espetáculos, dos quais mais de metade foram feitos com artistas portuenses. A 13 e 14 de setembro, poderá assistir à estreia nacional “The Köln Concert”, de Trajal Harrell/ Schauspielhaus Zürich Dance Ensemble, no Grande Auditório do Rivoli. Outras estreias do fim de semana, no Auditório do Campo Alegre, são “Mal de Ulisses”, de Rui Catalão, e o concerto de Bill MacKay, no Pequeno Auditório do Rivoli.

“As obras e artistas presentes na programação criaram espetáculos que desafiam o estado atual das coisas, estimulando o debate sobre temas como saúde mental, desejo sexual e realidades expandidas. Esperamos, assim, que nos levem a lugares, uns já conhecemos, outros iremos descobrir; uns são reais, outros um produto da imaginação”, sublinham os codiretores, a propósito da nova temporada do TMP.

Ainda ligados à música, nesta nova edição que se estende até dezembro, Joana Gama e Luís Fernandes apresentam “Strata” no Grande Auditório do Rivoli, a 20 de setembro. Por coincidência, a dupla de piano e eletrónica também celebra dez anos. Em dezembro, dias 6 e 7, acontece a estreia nacional de Chunky Move, o modelo de precisão coreográfica e resistência física de Antony Hamilton. Oito bailarinos interpretam uma sinfonia rígida de dança, krump, hip-hop em estilo livre, house e contemporânea, num cenário minimalista. 

Nos dias 20 e 21 de setembro, o TMP recebe a estreia de “BITCHO — Supra” de Susana Chiocca. Uma aventura com recurso à realidade virtual, onde os espetadores são convidados a imergir num outro mundo, “idílico e misterioso”, explorando dois ambientes distintos à medida que caminham pelo espaço. 

Em mais uma edição do Make Trouble, dias 27 e 28 de setembro, o Studio Dries Verhoeven apresenta “Guilty Landscapes: Episode I Hangzhou”, que será experienciado individualmente, entrando uma pessoa de cada vez, a cada dez minutos. Sob a premissa “E se as notícias se voltassem para as suas testemunhas? E se os protagonistas do jornal da noite nos olhassem nos olhos?”, o público é confrontado com uma câmara noticiosa.

Também imersiva, mas não virtual, o Make Trouble apresenta ainda a estreia “HAMMAM”, de Javiera Peón-Veiga. Trata-se de uma experiência imersiva, inspirada em práticas tradicionais de suor ou banhos quentes presentes em várias geografias e culturas no mundo. Já em outubro, de 24 a 26, é a vez de “A Conversation with the Sun”, de Apichatpong Weerasethakul, uma espécie de poesia visual que pressupõe a utilização de óculos de realidade virtual e será experienciado através de circulação pelo Palco do Rivoli.

Novembro será o mês das danças, com a apresentação de “Weathering” de Faye Driscoll, nos dias 8 e 9. Dia 9 também, apresenta-se no Campo Alegre “ocelo” de Daniela Cruz, uma criação sensorial e multidisciplinar para todas as idades que parte da necessidade de olhar de forma positiva para o contexto em que vivemos.

No Rivoli, dias 15 e 16, acontece a estreia nacional de “Noche” de Alma Söderberg/Cullberg, um encontro entre dança e música. A 22 e 23, o Campo Alegre recebe Trilogia Cadela Força / Capitulo I : A Noiva e o Boa Noite Cinderela”, de Carolina Bianchi e Cara de Cavalo/Metro Gestão Cultural. 

Voltando a outubro, a 24, acontece a primeira sessão das Quintas de Leitura da nova temporada. “O poema foi ao médico dos olhos” conta com Mia Tomé, Sandra Salomé, Isaque Ferreira e Rui Spranger. O dia 14 de novembro será sob o tema “Bebe pouco leite a poesia portuguesa”; e dia 19 de dezembro, “Os poetas adoram massagens”. Os bilhetes para a nova temporada já se encontram à venda online e os preços começam nos 2,50€.

MAIS HISTÓRIAS DO PORTO

AGENDA