cultura

Musical de Carolina Deslandes e Bárbara Tinoco vai passar pelo Porto no final do mês

“A Madrugada que Eu Esperava” junta as duas artistas portuguesas no Coliseu a 30 e 31 de maio. Ainda há bilhetes à venda.
A peça vai estar em cena apenas dois dias.

Mais do que duas grandes artistas portuguesas, Carolina Deslandes e Bárbara Tinoco são amigas e é frequente vermos partilhas nas redes sociais a afirmar a sua forte ligação. Comprar livros e vinis em duplicado para oferecer uma à outra, dormir na mesma cama nas férias de verão e dizer “amo-te muito” são alguns exemplos desta cumplicidade. 

Este ano, partilham um álbum e o mesmo palco, com o objetivo de reavivar os valores conquistados com o 25 de abril. “É preciso relembrar que a liberdade dói conquistada a pulso”, afirmaram as artistas em fevereiro, a propósito do lançamento do musical “A Madrugada que Eu Esperava”.

Há mais de um mês, as ruas de todo o País vestiam-se a rigor para celebrar os 50 anos do 25 de Abril, data que inspirou o espetáculo que esteve em cena ao longo do mês de abril no Teatro Maria Matos, em Lisboa. Agora, é a vez do Coliseu do Porto receber duas sessões únicas, a 30 e 31 de maio, quinta e sexta-feira.

Com música ao vivo de ambas as artistas, texto de Hugo Gonçalves e encenação de Ricardo Rocha, as cantoras-compositoras são também atrizes, desempenhando alternadamente, em noites diferentes os papéis de Olívia, a protagonista da história, e da sua irmã, Clara. 

O musical parte da pergunta: “O amor move mesmo montanhas, ou da paixão ardente só fica a cinza?”. A ação decorre em Lisboa, em 1971. Olívia e Francisco (interpretado por Diogo Branco) conhecem-se num grupo de teatro amador, que está a produzir uma versão musical de “Romeu e Julieta” e apaixonam-se. 

Olívia tem ideais políticos fortes que se refletem na sua oposição à ditadura. Francisco é um rapaz introvertido, sonha ser ator de comédia e vai aos ensaios às escondidas porque o pai não aprova as suas aspirações artísticas. Procurada pela PIDE, por vender livros proibidos pela censura, Olívia refugia-se em Paris para escapar à prisão, sem saber que Francisco foi destacado para combater na guerra. 

Já em França, Olívia canta num bar, enquanto em África, Francisco tenta sobreviver. Encontram-se, anos mais tarde, no dia da Revolução do 25 de abril. 

O espetáculo está marcado para as 21 horas nos dois dias. Ainda há bilhetes à venda online entre os 15€ e os 35€. A estação de metro dos Aliados fica próxima do Coliseu do Porto. 

MAIS HISTÓRIAS DO PORTO

AGENDA