cultura

“Piedade”: gravações da série inspirada no caso Casa Pia arrancam em 2025

A produção de seis episódios conta com Felícia Cabrita, a jornalista que denunciou os abusos, como consultora.
Um dos casos mais marcantes no País.

O caso Casa Pia, um escândalo de abuso sexual infantil que chocou Portugal nos anos 2000, vai ser retratado numa série de ficção. “Piedade” será realizada por Justin Amorim e deverá começar a ser rodada em 2025. 

A produção acompanha a investigação jornalística que expôs a situação em 2002. A primeira notícia, da jornalista Felícia Cabrita, publicada a 23 de novembro desse ano no Jornal “Expresso”, relatava que um motorista da Casa Pia de Lisboa, Carlos Silvino da Silva, conhecido por “Bibi”, teria sido vítima de abusos enquanto aluno na instituição e, posteriormente, teria abusado de outros alunos. Adicionalmente, a mesma reportava que Silvino atuava como procurador de rapazes para relações sexuais com figuras influentes da sociedade portuguesa, incluindo políticos, empresários e celebridades.

“Tinha uma grande vontade de contar esta história na ficção. É uma temática super importante e continuam sempre e surgir casos de pedofilia institucionalizada por todo o mundo, ainda é totalmente relevante falar sobre isto”, contou o realizador em entrevista ao “Observador”.

Embora seja uma obra de ficção, “Piedade” baseia-se nos acontecimentos que ocorreram na instituição de apoio a órfãos e jovens carenciados, pelos quais foram condenados Carlos Silvino, o principal arguido, o médico João Ferreira Diniz, o diplomata Jorge Ritto e o apresentador Carlos Cruz. 

A investigação jornalística é o elemento central da série, revelou Justin Amorim “Observador”, destacando o papel de Felícia Cabrita na produção. “Integra a equipa de pesquisa e desenvolvimento como consultora. É, talvez, a pessoa mais fundamental do caso”, sublinha o realizador. 

“Piedade” irá contar com seis episódios de 50 minutos e conta com o apoio do programa Ibermedia e do Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA). Ainda não foram adiantados pormenores sobre a composição do elenco. Quanto à exibição, Amorim admite a possibilidade de acontecer numa plataforma de streaming.

MAIS HISTÓRIAS DO PORTO

AGENDA