cultura

Sim, a série de “Peaky Blinders” chegou ao fim — mas a história ainda não acabou

A saga que, em Portugal, pode ver na Netflix vai ter um filme. E talvez estreiem outras séries com narrativas do mesmo universo.
“Peaky Blinders”, a série, chegou ao fim.

Na sexta-feira, 10 de junho, estrearam na Netflix os seis últimos episódios de “Peaky Blinders”, produção original da BBC. Contudo, a história não chegou ao fim. O criador do projeto, Steven Knight, planeia fazer um filme que conclua, efetivamente, a narrativa atribulada do protagonista Tommy Shelby.

“Peaky Blinders” começou com um ambicioso (e carismático) gangue de rua de Birmingham que foi aumentando o seu poder e influência. Seis temporadas depois, a escala é completamente diferente: os problemas de Tommy Shelby podem ter impacto geopolítico internacional. O gangster de rua tem agora reuniões com Winston Churchill e é uma figura importante no parlamento britânico, numa altura de rápidas transformações e perigosos populismos na Europa, que inevitavelmente levarão à Segunda Guerra Mundial.

Por um lado, tem de lidar com esta realidade e gerir a sua relação com Oswald Mosley, um político fascista aliado de Adolf Hitler — e que Shelby ficou encarregue de manter por perto a pedido de Churchill. 

Por outro, é preciso gerir os problemas internos do clã Shelby: Michael quer vingar-se da morte de Polly; e Tommy conheceu Duke, um filho que desconhecia e que se quer afirmar, provocando também um turbilhão de acontecimentos, que irão incluir o afastamento de Finn. E perdeu a filha Ruby.

Além de tudo isto — e de muitos outros detalhes —, Tommy Shelby acredita que está prestes a morrer. Foi falsamente diagnosticado com um problema de saúde fatal de que não padece, graças a uma conspiração orquestrada por Mosley. O objetivo era levar ao fim de Tommy Shelby, poderoso e implacável, muitas vezes também volátil, e perito a estragar os planos de outros.

Shelby chega mesmo a considerar tirar a própria vida antes de descobrir a verdade. No final, após incendiar a carroça que costumava usar e destruir a própria casa, muitos poderão acreditar que o protagonista de “Peaky Blinders” morreu mesmo. 

Mas não: montado num cavalo branco, Tommy parte em direção ao horizonte, possivelmente a caminho de uma nova vida. É uma imagem que contrasta com o início da série, quando a personagem nos é apresentada num cavalo negro, envolto na paisagem urbana obscura e industrial de Birmingham.

É um final com muitas pontas soltas, que deverão ficar resolvidas no filme que Steven Knight já anunciou querer concretizar. No ano passado, num painel no BFI London Film Festival, disse que planeava começar a gravar a produção em 2023, o que poderá querer dizer que a estreia só aconteça em 2024.

“Vou escrever o filme com o que se vai passar e que será gravado em Birmingham”, disse o criador da série. “E esse será provavelmente o fim de ‘Peaky Blinders’ como os conhecemos.” Como sempre, a história vai avançar algum tempo e o filme deverá retratar a vida de Shelby durante e após a Segunda Guerra Mundial. Não foram adiantados mais detalhes.

O que também está em cima da mesa, segundo Steven Knight, são outras séries passadas no mesmo universo — ou seja, spinoffs que não incluam o elenco principal de “Peaky Blinders” nem o envolvimento direto de Knight ao nível da escrita.

Em fevereiro, em declarações ao “Digital Spy”, Steven Knight disse: “Há tantas pessoas, tantos atores bons, com que já estamos, de alguma forma, em conversas para o filme. E para o que quer que se siga”, deixou em aberto. 

O argumentista também disse que o ator Stephen Graham poderá regressar à história no filme. Além disso, Knight deixou entender que estaria disposto a que atores como Tom Holland e Vicky McClure — que fizeram castings para papéis na série e acabaram por não ser escolhidos — pudessem entrar no filme com novas personagens. Ainda não são conhecidos mais pormenores sobre o projeto.

Carregue na galeria para conhecer outras das novidades televisivas de junho.

MAIS HISTÓRIAS DO PORTO

AGENDA