na cidade

A casa burguesa do século XIX onde os espaços são inspirados em artistas portugueses

Chama-se Baumhaus e está localizada na Rua da Boavista, no centro da cidade do Porto. Oferece uma experiência familiar perfeita para tirar uns dias de descanso com tudo o que precisa. E sem preocupações.
O edifício mantém os detalhes centenários originais.

Almada Negreiros, Júlio Pomar, Nadir Afonso, Henrique Pousão, Vieira da Silva, Amadeo de Souza-Cardoso, Julião Sarmento, Paula Rego e Emmerico Nunes: são estes os nomes dos nove artistas que inspiram os apartamentos privativos da Baumhaus, uma casa burguesa do século XIX que foi totalmente renovada para oferecer a quem escolhe alojar-se neste edifício da Rua da Boavista, no Porto, uma experiência familiar num ambiente doméstico, acolhedor e sereno.

“Este projeto iniciou-se com a vontade de reabilitar o edifício em que se insere, de forma meticulosa, respeitando e valorizando o mais possível o existente, sem abdicar de todo o conforto exigido atualmente. A nossa vontade de estender o projeto até ao último detalhe de decoração e equipamento, apaixonadamente, como se da nossa própria casa se tratasse, levou-nos à inevitabilidade de ficar com os apartamentos prontos para utilizar, e, portanto, adequados a estadias de longa e média duração”, começa por esclarecer à NiT Ana Coelho, a arquiteta responsável pelo projeto da Baumhaus.

Através de uma experiência “Serviced Living”, todos os apartamentos do Baumhaus estão prontos a serem ocupados e com a vantagem de ter todas as comodidades. Falamos-lhe de uma área com cozinha totalmente equipada, um quarto, casa de banho, sala de estar e outros elementos, como internet rápida, livros, brinquedos e equipamentos para crianças e bebés, entre outros. 

Assinado pela arquiteta e também responsável pelo projeto de reabilitação do edifício do Baumhaus, Ana Coelho, cada apartamento “foi construído a partir das condições existentes em cada espaço da casa burguesa do século XIX, explorando o potencial disponível: tectos de estuque trabalhados, vistas maravilhosas para o jardim”, disse à NiT Ana Coelho, acrescentando que “cada apartamento tem a sua mais-valia e as suas particularidades”.

Contudo, uma coisa é certa: em todo o espaço manteve-se a beleza original do edifício, que já é centenário, e em que apenas foram introduzidos detalhes inovadores. Por exemplo, para assegurar a elegância original do edifício, foram utilizados materiais naturais, entre os quais se incluem a madeira de Pinho, o mármore de Extremoz e os mosaicos hidráulicos.

Já na parte exterior da Baumhaus, situa-se uma grande zona comum, que é um enorme e cuidado jardim, onde “o nosso cedro centenário, as nossas plantas de fruto, o nosso relvado e os diferentes recantos do nosso jardim tornarão a sua experiência na cidade ainda mais memorável”, garante Ana Coelho, de 37 anos.

No Baumhaus são também disponibilizados serviços de acordo com as necessidades dos hóspedes, desde a limpeza diária, transfers, visitas organizadas, babysitting, serviços de estética e massagens e outros tantos. Depois, com bastante periodicidade, fazem-se aulas de yoga no jardim, workshops e outros eventos sobre alimentação saudável e cozinha criativa.

O preço médio por noite é de 200€ e varia dependendo do apartamento escolhido. O Paula tem a tarifa mais baixa, a partir de 115€ por noite e os quartos mais caros, com tarifas desde 140€, são o Emmerico, o Julião e o Vieira.

As reservas para os apartamentos desta casa burguesa do século XIX totalmente reabilitada podem ser feitas online. No entanto, se preferir pode fazer a reserva através do e-mail geral@nullbaumhaus.pt ou do número 915 495 579. 

De seguida, carregue na galeria para conhecer o interior e o exterior do Baumhaus.

MAIS HISTÓRIAS DO PORTO

AGENDA