na cidade

A plataforma que o leva a jantar com 5 desconhecidos já chegou ao Porto

A Timeleft recusa o rótulo de “app de encontros”. Quer antes combater a solidão que afeta as grandes cidades desde a pandemia.
Pode vir a ser uma experiência única.

“Não fales com estranhos” é uma daquelas frases repetidas pelo nossos familiares quando somos miúdos. Porém, a pandemia de Covid-19 gerou um enorme isolamento, propositado ou não, causando um aumento de problemas ligados à saúde mental, como a ansiedade e a depressão.

Em maio de 2023, dois amigos franceses a viver em Lisboa, decidiram lançar uma aplicação que pretende combater a solidão na sociedade atual, através de jantares à cegas com estranhos. “Acreditamos que as ligações humanas são a única solução para combater a solidão que está a afetar as grandes cidades desde a pandemia. Com a Timeleft queremos demonstrar os benefícios que jantar com estranhos traz e que não estamos sozinhos”, explica à NiP, Roberta Jorge, responsável pela comunicação e gestão da aplicação para telemóveis em Portugal.

A dinâmica começou em Lisboa por se tratar de uma cidade com grande “dinamismo” e um dos destinos favoritos dos estrangeiros. Atualmente, a Timeleft já está disponível em Braga, Faro, Coimbra e chegou recentemente ao Porto. 

O processo é simples. Basta descarregar a aplicação, disponível para dispositivos Android e iOS. Uma vez feito o registo, os utilizadores devem responder um questionário com cerca de dez a 15 perguntas, desde o signo do zodíaco à profissão, crenças políticas ou religiosas e preferências alimentares. Com base nestas respostas, o algoritmo vai criar grupos de seis pessoas com gostos semelhantes.

O objetivo é que, semana após semana, todos os grupos sejam únicos e, por consequência, as experiências também. Os jantares acontecem todas as quartas-feiras, pelas 20 horas. Na terça-feira, pelas 19 horas, os utilizadores recebem na aplicação diversas informações sobre os estranhos presentes na sua mesa no dia seguinte (nacionalidade, atividade profissional e os signos).

Já na quarta-feira, pelas 9 horas, os participantes recebem a morada do restaurante onde vão ser esperados na mesma noite pelas 20 horas. Já perto da hora do jantar, são partilhados guias e perguntas como “Qual foi a pior coisa que já perdoaste?” ou “Qual foi a melhor coisa que já fizeste para um amigo?”, para ajudar as pessoas a quebrar o gelo.

 
 
 
 
 
Ver esta publicación en Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Una publicación compartida de Timeleft – Real Life Social Experiences (@timeleft)

O acesso ao jantar custa 12,99€ por pessoa. Se quiser, tem ainda a oportunidade de subscrever os jantares de todas as semanas. A subscrição de um mês tem um custo de 19,99€, para três meses é 49,99€ e para meio ano é de 69,99€.

“O nosso objetivo é permitir que as pessoas viagem por um mundo social longe dos ecrãs, que se permitam abrir-se a qualquer expectativa, é disso que se trata o Timeleft, criar oportunidades para encontros especiais ao acaso, conversas que poderiam nunca ter acontecido, conexões com pessoas que poderia ter perdido”, reforça Roberta. Quase um ano depois do lançamento, a Timeleft já está presente em 13 países e 46 cidades. Mais de 30 mil pessoas já participaram, pelo menos, num jantar promovido pela plataforma.

MAIS HISTÓRIAS DO PORTO

AGENDA