na cidade

Campanhã vai ser requalificada — e prometem que vai ficar “irreconhecível”

A zona oriental da cidade e que circunda a estação ferroviária do Porto vai ser alvo de um projeto do arquiteto espanhol Joan Busquets.
Vem aí uma revolução

“O território que circunda a Estação de Campanhã ficará irreconhecível no médio e longo prazo”, confirmou Rui Moreira, presidente do município do Porto, na apresentação dos novos planos para a requalificação da estação e da zona que a rodeia. A intervenção está prevista para acontecer por causa e em simultâneo com as mudanças para acomodar a linha de alta velocidade.

Para o autarca, isso vai permitir que a zona se torne “mais atrativa para o investimento público e privado em habitação, em comércio, serviços e startups, em iniciativas culturais ou em projetos ambientais”, referiu, citado pelo “Expresso”. Este plano de requalificação começará desde logo pela própria estação, de forma a poder acolher a nova linha.

Será uma estação com “caráter multimodal”, que tirará partido também da recente inauguração do Terminal Intermodal de Campanhã.

Para lá das mudanças na estação, haverá profundas alterações nos espaços que a rodeiam. Encarregue dessa visão está o arquiteto Joan Busquets, da BAU-B, com larga experiência neste tipo de planos urbanísticos, sobretudo associados a estações ferroviárias.

Este é mais um passo para a revitalização da zona oriental da cidade. Não muito longe, no antigo matadouro, prosseguem as obras para a criação de uma das obras mais inovadoras dos últimos anos na cidade.

O projeto.

O mega-projeto que irá recuperar o antigo matadouro industrial terá 26 mil metros quadrados de espaços comerciais, mas também de zonas abertas à cidade e aos portuenses, de galerias de arte a auditórios, museus e restaurantes.

O desenho do local está a cargo do famoso arquiteto Kengo Kuma, em parceria com o OODA, um gabinete de arquitetura portuense. O japonês foi autor de obras como a do estádio olímpico de Tóquio, que deveria ter recebido a abertura dos Jogos Olímpicos de 2020; mas também o criador do Suntory Museum of Art ou do Besançon Art Center.

MAIS HISTÓRIAS DO PORTO

AGENDA