na cidade

Esta nova escola no Porto ensina-lhe japonês sem ter de sair de casa

O projeto portuense arranca em outubro com promoções especiais para os primeiros alunos. As inscrições estão abertas.
Sempre a aprender

O mundo está em constante mudança e já sabemos que quem mais conhecimento tiver, maiores oportunidades irão aparecer. Seja de trabalho ou de vida. Para melhorar o currículo, para viajar, porque se interessa por outras culturas ou simplesmente por curiosidade, aprender japonês pode ser a atividade que lhe faltava.

A Garuma é uma nova escola online de ensino de japonês e arranca já em outubro. A ideia surgiu em plena pandemia e foi sendo desenvolvida até chegar ao formato mais estruturado que vamos agora conhecer.

O responsável de tudo isto é o portuense Luís Assunção, de 27 anos. Formado em moda, tornou-se professor na área há cerca de cinco anos. Desde os 15 anos que começou a aprender japonês porque achava “engraçado” e estava “encantado por livros de banda desenhada”. Aos poucos foi percebendo a utilidade da língua.

Há cerca de dois anos começou a pensar em passar a dar aulas de japonês, um projeto que foi ficando na gaveta. Até agora.

“Com a pandemia surgiu a necessidade e a oportunidade de criar um projeto meu. Percebi que é fácil criar o próprio trabalho, ter um projeto que depende de mim e que me dá mais controlo. Juntei alguns amigos e estive a maturar a ideia com a equipa para agora lançar”, conta à New in Porto.

O teste foi sendo feito desde março de 2020, com pequenos grupos de amigos e conhecidos interessados pela cultura japonesa e rapidamente percebeu que era algo que poderia evoluir. Sempre numa lógica online, não só pelas imposições da pandemia mas também pelas oportunidades que pode dar.

“Há muitos entusiastas da cultura japonesa, muita gente que se revê nos valores e tem interesse em conhecer mais, mas em Portugal não há nada assim.”

Assim, a versão oficial da escola chega ao público em outubro através da plataforma Discord. Aí há um conjunto de três modalidades de aprendizagem, mas também uma comunidade onde é possível conversar sobre a cultura japonesa, debater temas que interessem a todos, tirar dúvidas e partilhar ideias.

“Há sempre professores disponíveis para ajudar com qualquer questão, mesmo fora das aulas. É um sistema mais dinâmico, com mais interação e menos formal do que o habitual. Ensinamos pelo método japonês e não pela forma mais comum de ensino em Portugal”, explica Luís.

Nesta fase inicial, a escola digital vai ter cursos de iniciação à língua, do nível básico, N5. Os cursos são certificados, têm a duração de dez meses e três modalidades de aprendizagem.

Na modalidade Live Regular há uma aula de 1h15 todos os sábados a partir das 9h15, enquanto na Live Intensiva a duração da aula é de duas horas e será aos domingos, a partir das 9h15. Para quem não tem tanto tempo ou prefere um horário mais flexível, a modalidade Autónoma tem aulas gravadas que pode acompanhar quando quiser. São quatro a seis aulas por mês com a duração de cerca de uma hora, sendo que no último domingo de cada mês há uma aula em direto (às 11h20) para esclarecer dúvidas.

Para quem pensa que a língua pode ser difícil, Luís aponta que “é necessário ter algum tempo no início” e que os primeiros dois meses podem ser um pouco mais complicados. “Depois, é mais lógico e dificilmente alguém desiste depois deste início.”

As turmas serão pequenas para poder dar mais atenção a todos e o início das aulas está marcado para 9 de outubro. A 2 de outubro, às 18 horas e às 21 horas, haverá sessões live de esclarecimento para que todos possam tirar as dúvidas que tenham. No dia seguinte, às 10 horas, haverá uma primeira aula gratuita.

As mensalidades são de 45€ para a modalidade Live Regular, 60€ para a Live Intensiva e 30€ para a autónoma. Há descontos de 5€ na mensalidade até ao final do curso para quem trouxer um amigo e de dez por cento para quem pagar já o valor total dos dez meses.

As inscrições decorrem até 6 de outubro e todas as informações estão disponíveis no Instagram da Garuma e na página do Discord. No final do curso, estará apto a ter uma conversação básica em japonês que lhe permitirá descrever espaços e pessoas, pedir indicações ou expressar opiniões.

MAIS HISTÓRIAS DO PORTO

AGENDA