na cidade

Já fomos conhecer a nova piscina de água aquecida na praia em Gaia

A estrutura é alimentada por painéis solares e está a ser um sucesso. Sobretudo para os miúdos.
Está a fazer sucesso.

Apesar de estarmos em agosto, não é de estranhar que os dias estejam cinzentos nas praias de Vila Nova de Gaia. Afinal, a temperatura mais parece de primavera e a água do mar é tão gélida quanto a habitual nortada que a acompanha. O cenário não é inteiramente novo para quem vive ou passa férias nesta zona. Porém, desta vez, há uma belíssima alternativa na praia de Canide Norte.

Estamos a falar da Piscina da Praia, um projeto das Águas de Gaia que foi inaugurado a 30 de julho e que leva a piscina para o meio do areal, mesmo ali na praia. Percorrendo o passadiço que leva até ao areal — entre os bares Ar d’Mar e Grão de Areia —, é fácil reparar na estrutura que ali foi colocada, embora se confunda com os elementos habituais da praia. Foi montado um conjunto de barracas cujo teto inclui painéis solares com um posicionamento em fila para servirem de para-vento. Depois, uma pequena cerca de cordas limita um espaço que combina um pouco de areal com uma piscina em que o tamanho equivale a metade de uma piscina olímpica.

O resultado de todo este aparato não podia ser melhor: a água do mar é aquecida através dos painéis solares colocados nas barracas e não há vento contra os banhistas. Mas há outras características que tornam a piscina atrativa, como aliás se percebe pelas enormes filas que têm existido desde a abertura do equipamento. Não interessa o dia da semana ou a temperatura.

No final da espera, cada pessoa tem de passar ainda por um chuveiro para limpar a areia que possa eventualmente ter no corpo. Depois, pode aproveitar ao máximo a experiência durante um período máximo de 30 minutos. Só podem estar 50 banhistas de cada vez dentro da piscina e os miúdos com menos de 12 anos só podem entrar com a companhia de um adulto. 

Entrar nesta piscina é quase como entrar no mar, o declive é muito ligeiro e começa num patamar quase plano que vai aumentando gradualmente até aos 50 centímetros a meio da piscina. Depois, fica num máximo de um metro de profundidade, lá na outra ponta. Ao redor, é possível estender a toalha para aproveitar o sol.

Esta piscina é ideal para os avós que têm pouca mobilidade, para os miúdos mais pequenos ou pessoas com mobilidade reduzida. Embora não seja permitido dar mergulhos, saltos nem levar brinquedos ou insufláveis — com exceção das bóias e braçadeiras para os miúdos —, não tem havido queixas. Até porque a água está quente, entre os 26 e os 29 graus, e existem uns pequenos repuxos laterais semelhantes aos jatos do spa.

No fundo, por aqui, sente-se uma espécie de liberdade controlada, que não existe no mar. Ainda assim, é sobretudo a liberdade de poder estar na água do mar, quente, sem vento, sem ondas perigosas e numa profundidade confortável e sem bancos de areia enganadores.

A ideia para criação desta praia nasceu mesmo da tentativa de colmatar alguns dos problemas que a praia poderia ter. “Partimos de uma premissa que é considerar que temos as melhores praias do País, mas tínhamos dois problemas concretos: a água fria e a nortada”, explica à New in Porto, o presidente do conselho de administração das Águas de Gaia, Miguel Lemos Rodrigues.

A solução encontrada foi esta, tendo em conta que o objetivo era que a piscina se confundisse com a praia. Depois, foi preciso pensar num plano para tornar este conceito possível e, sobretudo, sustentável. “A água do mar, que é água salgada, foi bombeada aqui para este nosso espaço. Depois, tem um sistema de recirculação de água em que, no fundo, a água está constantemente a ser recirculada e a ser filtrada”.

O aquecimento é feito pelos painéis solares e a temperatura varia também, naturalmente, com a temperatura ambiente e com a intensidade do sol no momento. A partir daí só é preciso aproveitar.

“É um projeto de felicidade. Foi assim que nós o pensámos. O importante para que as pessoas estivessem nas nossas praias de forma feliz e que pudessem usufruir da água do mar de uma forma mais confortável”, acrescenta Miguel Lemos Rodrigues.

Quando a fila volta a formar-se à entrada e se ouve a buzina, é sinal de que os 30 minutos acabaram e está na hora de deixar para trás aquela água morna. Ficar na praia ou ir para casa é o dilema seguinte, mas isso já é uma decisão de cada um.

A Piscina da Praia está aberta todos os dias entre as 9h30 e as 19h30. O tempo de espera para entrar vai sempre depender do tamanho da fila, mas conte com períodos de enorme afluência.

Carregue na galeria para conhecer melhor a nova piscina de Vila Nova de Gaia.

ver galeria

MAIS HISTÓRIAS DO PORTO

AGENDA