na cidade

Porto é uma das cidades da Europa (e do mundo) mais procuradas pelos nómadas digitais

O Market Report 2022/2023 da Engel & Völkers coloca o Porto como a cidade mais procurada, seguida por Braga e Guimarães.
Boas notícias.

A evolução do teletrabalho, o rápido e fácil acesso à Internet e uma quantidade de trabalhos digitais emergentes que permitem uma vida mais independente e livre, onde se possa trabalhar em qualquer horário e local, tem vindo a tornar-se algo cada vez mais comum. Ter compromissos laborais com uma empresa de um país e viver noutro diferente é um conceito cada vez mais na moda.

Nesse sentido e, sem grandes surpresas, o norte de Portugal ganha especial destaque nos destinos de eleição dos nómadas digitais. A segurança, gastronomia e acessibilidade são algumas das características que estes trabalhadores “livres” e independentes procuram e encontram mais especificamente, no Porto. De acordo com a Digital Nomad Association (DNA), a cidade conta com cerca de cinco mil nómadas digitais.

Esta mesma fonte de informação refere também que para além dos fatores mencionados anteriormente, a boa conectividade, o clima ameno, a proximidade ao mar, a história, a oferta de equipamentos e serviços e até a arquitetura são outros elementos que diferenciam — e destacam — o Porto de outras cidades do País e do mundo.

Ainda no norte, mas não de uma forma tão significativa como no Porto, os vizinhos Braga e Guimarães têm também sido “casa” de bastantes nómadas digitais. De acordo com o presidente da DNA em Portugal, já é possível identificar um perfil padrão de quem mais procura o nosso País — sobretudo a zona do Norte —, através da recolha de um conjunto de dados. Em média, as idades rondam os 33 anos e as áreas de emprego variam entre marketing, engenharia informática e advocacia.

Apesar de o Porto contar com cerca de cinco mil nómadas digitais, espera-se que o número continue a crescer nos próximos meses. Este fenómeno tem sido um dos motivos para que a “luta” do mercado de arrendamento no Porto seja cada vez mais “feroz”, sendo que um estudo demonstrou que, desde 2019, se registou um aumento de 50 por cento no que toca à procura de casa.

Existem também quatro países que se destacam no Market Report 2022/23 da Engel & Völkers, como Polónia, Alemanha, Reino Unido e os Estados Unidos da América. Outra constante que é possível observar e que o estudo destaca é o facto dos nómadas digitais chegarem, na maioria dos casos, sozinhos. Todavia, é cada vez mais frequente ver uma família inteira “aderir” a este novo estilo de vida.

MAIS HISTÓRIAS DO PORTO

AGENDA