na cidade

Promotor desiste de criar hotel no edifício onde morreu Gisberta. “Não faz sentido”

A demolição do prédio no Porto arrancou em dezembro de 2023. O projeto mudou para incluir apenas apartamentos e escritórios.
Já não vai ser um hotel.

Gisberta Salce Júnior, uma mulher transgénero brasileira, prostituta e seropositiva que trabalhava nas ruas do Porto, foi assassinada a 22 de fevereiro de 2006. Após ter sido torturada durante três dias por grupo de adolescentes, o seu corpo foi abandonado num poço.

 Durante décadas, o edifício da Avenida Fernão de Magalhães esteve ao abandono, ensombrado pelo crime que a cidade (e o País) nunca vai esquecer, mas está prestes a ganhar uma nova vida. Em fevereiro do ano passado, a Lucios Real Estate passou a deter a exploração do prédio, conhecido como “Pão de Açúcar” e anunciou que ia construir ali espaços comerciais, serviços, escritórios, residências com serviços e um hotel — mas parece que os planos mudaram ligeiramente.

Após o início da demolição do edifício, o destino da empreitada mudou e ficou a cargo da Avenue Real Estate, que decidiu apostar exclusivamente nos segmentos residencial e empresarial. “O hotel desapareceu. Achamos que não fazia muito sentido ter ali uma unidade hoteleira”, avançou o CEO da empresa, Aniceto Viega, ao “Porto Canal”.

O objetivo agora passa por ter exclusivamente habitação e escritórios. “Estamos a falar de cerca de 30 mil metros quadrados de habitação e quase 18 mil de escritórios. Também teremos ali uma pequena componente de retalho, virada para a Avenida Fernão Magalhães”, adianta.

O futuro edifício tinha sido batizado como Pacífico, mas terá uma nova denominação. “O nome vai mudar, ainda não o podemos anunciar, mas fará referência à rua, ou seja, será bastante óbvia, mas ainda estamos a trabalhar esta parte”, admitiu.

Irá acolher 25 pisos, sendo que os andares superiores serão dedicados à habitação, enquanto na cota mais baixa serão os escritórios. “O nosso objetivo é construir principalmente T0, T1 e T2, no entanto, haverá alguns T3”, revela.

O projeto está neste momento na fase final do licenciamento e o objetivo é iniciar a comercialização no segundo trimestre deste ano. As obras arrancaram no final de 2023, com a demolição do imóvel original, que se encontrava devoluto.

No final de janeiro, a Câmara do Porto aprovou por unanimidade a atribuição de uma rua a Gisberta Salce Júnior, na freguesia do Bonfim, como forma de a homenagear.  

MAIS HISTÓRIAS DO PORTO

AGENDA