na cidade

Rafael tem 18 anos e anda a percorrer o País a pé. Tudo para ajudar os miúdos

Quer angariar o maior valor possível para a associação Acreditar. Partiu do Porto e está quase a chegar ao Algarve.
Tem 18 anos.

Percorrer Portugal de norte a sul é um objetivo que muitos gostariam de concretizar. Outros já o terão feito, seja de carro, mota, autocaravana e até mesmo de bicicleta. Contudo, poucos se atrevem a fazê-lo sem recorrer a veículo algum. Rafael Reis já andou com dois pelo País — um carrinho de mão e outro de bebé. Nenhum deles serve para se locomover: ambos foram-lhe “carinhosamente oferecidos” por pessoas que encontrou pelo caminho.

Natural de Vila Nova de Gaia, o jovem de 18 anos decidiu ir do Porto a Faro a pé para angariar dinheiro para a Acreditar ‒ Associação de Pais e Amigos das Crianças com Cancro. Rafael está a tirar o curso de Contabilidade no Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto (ISCAP) e “sempre gostou de se superar”.

Para ele, “não há limites” quando se trata de alcançar os objetivos. Em conversa com um amigo, num dia de verão, surgiu a ideia de partirem numa aventura “diferente de qualquer coisa que já tivessem feito”. Ainda consideraram ir a pé do Porto até Fátima, mas Rafael queria “um desafio maior” — como ir até Faro.

“Sabia que era algo inovador e que podia alcançar algumas pessoas. Por isso, pensei aproveitar a situação e apelar às doações”, começa por contar à NiT. A partir daí, a ideia que nasceu numa simples conversa entre amigos tornou-se num sonho, numa vontade enorme de “tocar o maior número possível de corações” e apoiar aqueles que mais precisam.

O primeiro nome que lhe veio à cabeça foi a Associação Acreditar, por todo o trabalho que têm feito nos últimos anos — e, porque “adora miúdos”. “Tenho uma irmã de 10 anos com uma deficiência cognitiva e sempre fui muito ligado aos mais novos. A minha mãe cuida de três filhos sozinha e conheço as dificuldades que muitas famílias passam. Essa foi a minha grande motivação”, confessa o jovem. 

Quando partilhou o seu desejo com a organização, “ficaram boquiabertos”, mas “adoraram a ideia”. A seguir, “fechou-se no quarto o resto do verão” a preparar os detalhes da missão solidária: criou a página “Desencaminhados”, onde partilha as etapas do desafio e planeou o itinerário que iria percorrer com o amigo, que acabou por não conseguir ir devido a um problema no coração. 

https://www.tiktok.com/@desencaminhados/video/7274967760491367713

Mesmo com a mudança de planos e sem companhia, Rafael decidiu avançar. A 4 de setembro, já com a mente e o corpo preparados para os dias que se seguiriam, deu início à aventura, a meio da Ponte D. Luís, no Porto. Consigo, leva apenas uma mochila com cerca de 13 quilos, onde guarda a roupa e a tenda. 

Nunca tinha feito de 30 mil passos por dia, mas, agora, volvidas quase duas semanas, já caminhou mais de 400 quilómetros. Rafael encontra-se neste momento a caminho de Almodôvar (no distrito de Beja, no Alentejo) e já está na reta final do desafio. Pelo meio, passou por Estarreja, Cantanhede, Almagreira, Fátima, Alcanena, Santarém, Coruche, Montemor-o-Novo, Aljustrel e Castro Verde. Pelo caminho, dormiu muitas vezes em quartéis de bombeiros e conheceu pessoas que o surpreenderam. 

No segundo dia, por exemplo, uma senhora ofereceu-lhe um saco de comida, mas o jovem não tinha como levar tanto peso atrás. “Disse-me para não me preocupar e ofereceu-me um carrinho de mão. Fui até Coruche com ele e assim consegui levar a comida”, recorda. Já em Fátima, trocou-o por um carrinho de bebé — também uma oferta de um senhor que o quis ajudar. “A parte mais chata são as subidas, mas a generosidade das pessoas que oferecem estas coisas, tem sido incrível”, diz.

A maior dificuldade do desafio não é a dor física, mas conseguir manter a mente focada. Dava por mim a arranjar desculpas para desistir, mas tenho a mente muito forte e não aceito esse espaçamento”, sublinha. Direciona os pensamentos para o seu único objetivo: conseguir angariar o máximo de dinheiro possível para ajudar a associação. “Todos os cêntimos contam e todos os donativos valem a pena”. Já conseguiu arrecadar cerca de 500€, mas gostava de atingir os 2.000€ antes de chegar ao Algarve. 

Todos os que quiserem ajudar Rafael a atingir esta meta solidária, podem enviar os seus donativos tanto para o MBWay da Acreditar (916 897 230), como para o IBAN (PT50 0033 0000 00117854031 05) e acrescentar a descrição “Desencaminhados”, o nome dado a este projeto.

“Tem um significado especial. Com 18 anos, todos andamos em busca de algo para fazer na vida, onde trabalhar. Estamos desencaminhados e estou a fazer isto precisamente para descobrir o meu lugar”, conta. Se continuar com este ritmo, é possível que consiga chegar ao Algarve até ao final da semana — pode acompanhar o resto da aventura de Rafael através do Instagram e do TikTok.

https://www.tiktok.com/@desencaminhados/video/7277916289870400800

MAIS HISTÓRIAS DO PORTO

AGENDA